História do Vale

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someonePrint this page

Já faz tempo que não escrevo. Estou devendo as “gotinhas” de história que prometi relatar. Aí vai mais uma “gotinha”.

Vou escrever um pouco sobre o Vale do Jequitinhonha, mais especificamente do processo de colonização ocorrido na região após a chegada de Cabral ao Brasil.
Passados cerca de 50 anos do primeiro desembarque dos portugueses em nossa terra, a coroa portuguesa decidiu povoá-la. Isso era importante, pois além de garantir a posse sobre a terra, facilitaria o controle de outros povos, os chamados piratas europeus.
As primeiras expedições para cá foram financiadas e organizadas pelo governo português e já por volta de 1550 aconteceram as primeiras investidas em terras do Jequitinhonha.
Entre 1550 e 1574 chegaram ao Vale três expedições. A primeira denominada Espinosa/Navarro, nome de seus líderes, acompanhando o Rio Jequitinhonha chegou à Serra do Espinhaço passando por Serro, Diamantina, Minas Novas, até o atual município de Belmonte.
Em 1573 e 1574 chegaram por aqui mais duas entradas. Ambas vieram motivadas pelas alvissareiras notícias que chegavam à Europa, sobre a grande quantidade de metais e pedras preciosas encontradas na nova terra.

A Expedição de Tourinho veio ávida em busca das famosas jazidas de esmeraldas, mas não as tendo encontrado levou muitas turmalinas, safiras, topázios, berilos e águas marinhas.
A terceira entrada, denominada Expedição de Adorno, subindo o Rio Jequitinhonha recolheu pedras e minérios que revelavam a existência de metais preciosos, fato que justificaria mais tarde, a imensa febre de “caça ao tesouro”, ocorrido nas Minas Gerais.
Muitos foram os obstáculos enfrentados pelos aventureiros portugueses ao desbravar nossa terra. No Vale do Jequitinhonha a situação não foi diferente. A densa vegetação que compunha a Mata Atlântica, o acidentado relevo da Serra do Espinhaço, as dificuldades de comunicação e principalmente a brava resistência dos índios, especialmente da Tribo Botocudos, amplamente conhecidos por seu caráter firme e guerreiro, poderiam ser consideradas como adversidades “seis estrelas”.

No entanto, nada disso arrefeceu o ânimo dos desbravadores. Eles foram até o fim, deixando um vasto legado de destruição tanto ambiental quanto cultural e social.
A Mata Atlântica foi impiedosamente devastada, dando lugar a terrenos para a produção agrícola. A queimada dos troncos e raízes esgotou a força produtiva da terra e grande parte da mata transformou-se em campo de erva gramínea, capim ou capoeira fraca.
Igor Moreira em seu livro o Espaço Geográfico relata: “a devastação foi tão grande que os moradores foram obrigados a procurar madeiras para suas construções em locais bem distantes. No final do século XIX, a devastação e o processo de assoreamento do Rio Jequitinhonha já haviam reduzido drasticamente a Mata do Jequitinhonha”.
E assim acaba nossa “gotinha” de hoje. Agora que acabei de escrever este texto, entendo porque a história deve ser administrada em gotinhas…

Até a próxima!
Lídia Calisto

Comente:

Deixe uma resposta