Category Archives: Textos

05abr/17

Um recado de um Serafim

Floresceu a eternidade

Assim como meu coração

No olhar da espiritualidade

Me enchi de comoção

 

Olha lá como vai adiante

Seguindo sem nem pensar

No horizonte do encantamento

Fugindo até do falar

 

Criatura cristalina

Com semblante a abrilhantar

E um sorriso ardente

Queimando só de pensar

 

Na floresta enriquecida

Verde mata a perpetuar

A vida do jovem negro

Que ali estava a observar

 

Se é jovem flor

A espera do sol raiar

Que a chuva enalteça

A alegria de agraciar

 

Com tamanha beleza eterna

A vida alheia e assim

Cantando por virgens matas

 

Sou apenas serafim

Psicografado em 05/04/2017

Tribo Apache

Nas canoas de couro que deslizavam pelos rios e atravessavam matas.

Assim chegamos do Norte Apache fugindo do massacre dos brancos desbravadores que queriam nossa terra, nosso alimento, nossa vida em troca da exploração dos bens, que pertenciam não a nós, mas a Mãe Terra.

Aqui encontramos o povo indígena disperso, desnudo, a maior parte submetida ao 17057c37chicote dos feitores que obedeciam ao Sinhozinho.

Muitas guerras, presenciamos, ao longo do Jequi e a tristeza ao assistir a língua e a cultura se extinguir.

Mas a Providência Divina enviou legionários para unir, fortalecer, reintegrar os povos dispersos.

As várias etnias dispersas e abandonadas voltaram a se agrupar.

Grandes chefes guerreiros, caciques deixaram marcas nesse solo bendito onde renasceram seres com grandes débitos com a humanidade.

Vindos de todo lugar, aqui, passaram por todo tipo de provação com o objetivo claro de se ajustarem com a Grande Lei.

E aqueles que há séculos se instalaram continuam ajudando, orientando, conduzindo a todo aquele que está perdido.

A Grande Tribo estará sempre presente, quando o objetivo for, servir, confortar, minimizar o sofrimento de nossos irmãos.

Salve Curumim e a toda tribo!

 

05out/16

Nem tudo

Nem tudo que o vento trás é saudade, alegria.

Nem tudo que brilha é bom.

A vida.

Ahh, a vida.

Ela começa e termina.

E o meio?

Só você que sabe.

Sabe lá o que a vida será.

Será o vento ou o que vem nele? Ele é que sabe.

Uma dádiva, um poema, um amigo, quem sabe?

Nem tudo na vida é discórdia,

Nem toda a vida é tudo.

Eu que o diga, um dia fui e agora voltei, tô aqui sem sentido.

Faz um caminho pra sua vida.

Não desperdice o tudo que tem.

Sem racionalizar, sem se empolgar, equilibra e vai.

Tem muito papel pra escrever tua história.

Usa cada linha e segue…

Psicografia – Márcio Bertezini – 05/10/2016

28ago/16

Sonho e Realidade

Quando se inicia a caminhada consciente o primeiro desejo é salvar a humanidade.

Depois de algum tempo gastando energia percebe-se que é impossível tal tarefa.

Surgindo, então, o segundo desejo que é salvar o seu país,  logo caindo na desilusão.

Para em seguida salvar a família, façanha incrível,  e o máximo que consegue é a família afastar-se e chantageá-lo.

Seu sonho transforma-se em frustração, e durante algum tempo você cai em depressão.

Para, então, perceber que a cada um cabe a responsabilidade da sua salvação.

E o sonho inicial transforma-se em capacidade de realização pessoal, e ao se tornar um individuo bom,  você estará direta ou indiretamente, “salvando”, primeiro, a si próprio e

com suas atitudes consiga ser exemplo para muitos.

Desfaz-se o sonho infantil para surgir a pessoa presente consciente do seu papel no mundo,

situando-se no contexto em que vive, com realidade e decisão.

Ieda Garcia

27ago/16

Um Vale…

Às vezes, ponho-me a pensar, o  que faço em terras tão distantes da minha terra natal?

Sou peregrina, aventureira, legionária?

Só sei que quando aqui cheguei me apaixonei,

Contemplar o pôr-do-sol, montanhas que desafiam,

Noites silenciosas e mágicas,

Estrelas cadentes, ventos que cantam.

Ao mesmo tempo me comovo com riachos que não choram mais,

Arvores retorcidas de tanto lutar para manter seu lugar,

Chão de  poeira que se levanta e turva a visão,

Animais tristes perambulando, sem nenhum agrado, com  costelas expostas

pois dá até dá pra contar.

Pessoas de olhares distantes, vazios e desencantados …. não há escolha!

Pés descalços, mãos com calosidades, povo sofrido …e tudo isso sem razão.

Meu coração entendeu e resolveu ficar.

O Curumim nasceu num parto difícil e ao mesmo tempo glorioso.

Foram anos de luta, escolhas significativas onde foi necessário renunciar

aos prazeres e convivência familiar em prol do trabalho elegido como meio de me tornar humana.

Sinto-me como um grão de areia nesse oceano cósmico,

Não percebo fronteiras ao olhar para o infinito do terraço da varanda

Sinto-me parte e, creio que as fronteiras ficaram no passado

e  o meu verdadeiro lugar é no Universo….

Bem, por enquanto vou atender o portão… é  alguém e deve precisar de algo…..

por Ieda Garcia