Aparigraha (desapego)

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someonePrint this page

O homem comum não consegue manter a mente em equilíbrio por tê-la sempre repleta de frustrações, distúrbios e de suas reações a eles.
No entanto, desenvolvendo a capacidade de estar sempre feliz com qualquer coisa que possa lhe acontecer, ele consegue paz, colocando-se acima dessas ilusões, das quais o mundo está repleto.

Ter somente o necessário para manutenção da vida, acreditando que aquilo que se necessita virá naturalmente e no devido tempo. O yogue sente que acumular ou entesourar coisas implica em falta de fé na providência Divina e em si mesmo para prover seu futuro.Não ser possessivo, não acumular. Não juntar/poupar inutilmente objetos desnecessários para sua sobrevivência e bem estar.

Não acumular objetos de que não necessite ou não aceitar nada pelo que não tenha trabalhado.Não ser escravo daquilo que possui. Este é o quinto e último yama do yoga. Aparigraha significa estar livre desse impulso de acumular. Podemos dizer que aparigraha é um dos aspectos de asteya (não roubar).

Segundo a filosofia hindu, da mesma forma que não devemos nos apropriar do que não nos pertence, não devemos também acumular mais do que precisamos. Não se deve ter coisas sem trabalhar por elas, ou de favor de outros, pois isso mostra, segundo essa filosofia, a pobreza do espírito.

O yogue deve ter fé em si e em Deus e conseguir se manter e se prover, pensando no seu futuro e no futuro de sua família. O yogue deve ter claro e sabido dentro de si que a vida é feita de ciclos, como uma roda na qual estamos amarrados. A roda gira incessantemente, estando nós em um momento em cima e em outro embaixo.

Não -acumular ter confiança em nós mesmos. O avaro não tem confiança em si. Temos que descobrir que somos capazes de fazer algo novo.

Para ler a palestra completa por favor baixe o anexo: Aparigraha-desapego

Comente:

Deixe uma resposta