Emoções

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someonePrint this page

Para que nossos atos e comportamentos sejam verdadeiros, as emoções devem ser percebidas como são e totalmente reconhecidas pela nossa personalidade, afim de que nossa expressão seja natural, fácil e apropriada às situações.
Identificar uma emoção é diferente de suportá-la. Na identificação nós a reconhecemos e, a partir daí, agimos ou não, suportar a emoção significa ignorá-la ou simplesmente tentar eliminá-la.

Censurar emoções é ilusão. Seria o mesmo que censurar a própria natureza. Nossos sentidos são tudo o que temos para perceber os recados da vida; contê-los seria o mesmo que destruir o elo com a nossa intimidade.

Não sentir é viver em constante ilusão, distanciando o verdadeiro significado da vida.

A repressão das emoções inibe o ritmo e as pulsações internas, limita a vitalidade e reduz a percepção. Quando reprimimos as emoções básicas (medo e raiva), certamente estaremos reprimindo também as emoções de afetividade e infelizmente, não conseguiremos lidar com as dificuldades e encontrar as soluções.

O medo e a raiva reprimidos tornam nossa visão obscura, não nos permitindo tomar atitudes corretas e incoerentes ao processo que os desencadeou.

Por Sueli Borges

Comente:

Deixe uma resposta