Yoga

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someonePrint this page

“Estamos num momento muito particular da história do Yoga. Se por um lado nunca foi tão necessário, visto que padecemos de doenças graves do corpo, da mente e de convivência; por outro nunca fomos tão vulneráveis aos movimentos dos oportunistas que sabem fazer o marketing exuberante para os que desconhecem os princípios básicos da simplicidade pregados pelo Yoga. Não posso imaginar aqueles antigos sábios indianos preocupados com eliminação de celulites, aquisição de habilidades exibicionistas, fitness ou mesmo com o uso de roupas de grifes internacionais.”

“Estar na moda pode ser bom, mas pode ser perverso. Modismos à parte,. O Yoga tem mostrado grande eficiência como sistema que propõe um repensar de prioridades, ressaltando o que há de mais humano em cada um de nós.”

A palavra Yoga originou-se do radical sânscrito “yuj” e significa união, no sentido de ligar o homem à sua própria e íntima realidade. Tem portanto o mesmo significado do termo “religião” que, oriundo de “religare”, no latim, exprime aquilo capaz de ligar novamente a criatura à sua origem, que é o Espírito Uno ou Deus.

Esse Deus não está situado fora do homem, mas nas profundezas do seu próprio Ser. A Hatha-Yoga, que é a ciência do bem estar físico, não constitui por si um método de união com a divindade. É, isto sim, uma etapa do método real, e, portanto, um meio e não um fim.

Patanjali, filósofo hindu, codificou, há cerca de 200 anos antes de Cristo todos os métodos de Yoga, reunindo-os num único, a que deu o nome de Raja-Yoga. Esse método pode ser seguido, com segurança, por todos os seres humanos, sejam eles místicos ou intelectualistas. Leva ele à libertação total, qualquer que seja a tendência ou natureza de cada um. O ser humano é um todo, uma unidade, formado por muitas individualidades, que por sua vez, também se subdividem em outras. Isto vai de seu corpo físico ao seu corpo psíquico e deste ao seu corpo espiritual. O corpo físico vai do conjunto de células que se renovam constantemente, às coisas conscientes no homem (memória, saber, cultura intelectual, o raciocínio lógico e os cinco sentidos). O corpo psíquico é o conjunto das sensações, o terreno do subconsciente, como arquivo de nossas vivências passadas e que não foram conservadas. O homem, durante sua vida, influi tanto em seu espírito através de seu corpo físico, como seu espírito influi sobre a matéria. O nosso corpo espiritual é uma cópia em funções, senão em forma, de nosso corpo físico e psíquico em uma só peça. Os chakras são os centros de força tem diversas funções e junto com os nádis ou canais venosos do espírito, formam um complexo mecanismo. Os corpos mais sutis têm uma influência mais forte sobre os corpos mais grosseiros e esses veículos são interdependentes entre si. A disciplina espiritual no Yoga é de fundamental importância para a harmonização e equilíbrio dos diversos veículos do Ser.

Trechos extraídos da Monografia de Wilson Cardoso da Silva

 

Na foto – Aula em Dupla – Centro de Estudos de Yoga Ayravatha – Santo André – São Paulo

Comente:

Deixe uma resposta